Ir para o conteúdo
employee experience startup

Employee Experience: 5 exemplos a seguir das startups brasileiras

Muito tem se falado na importância em reter talentos e, para isso, a importância de saber valorizá-los. Dessa maneira, o RH tem implementado, cada vez mais, estratégias interessantes que visam melhorar a experiência do trabalhador dentro da empresa, também chamada de employee experience em inglês. 

Para manter funcionários motivados que carreguem consigo a essência do lugar em que trabalham, diversas startups do Brasil investem massivamente nesta tal experiência, fortalecendo o elo entre empresa e colaborador. O employee experience é sobre criar meios de atrair, reter e motivar funcionários, inculcando valores e fazendo com que o trabalhador se sinta bem e não cogite partir.

Neste artigo vamos dar exemplos concretos de startups brasileiras que aprenderam direitinho como cativar os colaboradores. Além disso, vamos explicar o por quê dessa prática ser tão importante e quais as diferenças entre employee branding e employee experience, visto que novos termos vivem pipocando no mundo do RH e podem confundir. Vamos lá:

O que é employee experience e por que isso é importante     

Vimos na introdução que o employee experience são as estratégias colocadas em prática para atrair, reter e motivar o trabalhador, fazendo com que ele não pense em partir. 

Essas estratégias levam em conta todo o caminho que o funcionário percorre dentro de uma companhia, desde o recrutamento até o offboarding. Cada etapa deve carregar consigo a alma da empresa, ou seja, o que a faz ser lembrada e apreciada, mesmo por quem está de fora. 

A experiência do trabalhador reúne práticas que visam melhorar o clima organizacional e o bem-estar, fortalecer a cultura empresarial, oferecer oportunidades de crescimento profissional e mesmo o aumento salarial e dos benefícios. Todas estas melhorias são pilares de uma boa gestão de pessoas e garantem reter e atrair os talentos certos.  

Além disso, a geração Millenials, dos nascidos entre a década 80 e meados dos anos 90, vem desconstruindo o mundo tradicional do trabalho e carregando dentro de si a necessidade do sentido, do propósito e do bem-estar. Assim, as ações pensadas para além do tradicional salário conseguem valorizar o capital humano, retendo e instigando os Millennials. 

Cada empresa possui suas particularidades, identidade, valores e metas, por isso o que precisa ficar claro é que as estratégias para um employee experience positivo serão diferentes para cada negócio. Não adianta copiar o concorrente e deixar de lado o DNA da própria empresa e, sobretudo, o perfil de colaborador que faz parte dela. Investindo em employee experience a sua empresa consegue:

Reduzir custos do RH 

Quanto menor a taxa de turnover, ou seja, rotatividade, menor o valor gasto com processos seletivos, rescisões e treinamentos no caso de novos funcionários. Ao pensar no employee experience, a empresa consegue gerir sua folha de despesas de forma inteligente e investir no que importa ao trazer mais benefícios para o trabalhador.

Melhorar as relações interpessoais

Os funcionários que trabalham em um bom ambiente de trabalho são efetivamente mais produtivos. Mas, para além do cumprimento de metas e entregas, a boa harmonia do clima organizacional reduz atritos entre trabalhadores e colabora para a saúde mental de cada um deles. Nada mais valioso do que trabalhar em um ambiente leve, que favoreça o diálogo, o entendimento e as diferenças.

Trazer valor para a marca 

Funcionários satisfeitos espalham seu contentamento, especialmente se levarmos em conta o poder de redes sociais como o LinkedIn atualmente. Ao implementar uma boa estratégia de experiência do colaborador, a empresa tem a chance de ser reconhecida e repercutir nas redes sociais por meio de depoimentos de funcionários satisfeitos. Quantas vezes não vemos ótimos storytellings no feed do Linkedin, em que a empresa é citada?

Ações espontâneas como essa mostram que tudo o que é oferecido para o colaborador carrega um valor e pode ser repercutido positivamente. Além disso, uma marca consolidada acaba por gerar maior concorrência, o que é natural: quanto mais sua empresa espalhar por aí que ela é vantajosa, mais talentos vai atrair, e menos turnover vai enfrentar, pois a retenção será maior.

webinar employee experience

Startups no Brasil e suas práticas de employee experience em 5 exemplos 

Se você se perguntava antes o que é uma startup, hoje deve acompanhar o quanto estas empresas colaboram para a economia e empregabilidade do país, geralmente unindo inovação e tecnologia

Por terem uma essência mais descontraída e jovem, muitas startups aparecem, ano após ano, nos rankings de melhores empresas para se trabalhar. Elas são mestres em criar boas estratégias para que a experiência do colaborador seja positiva e altamente compartilhável nas redes sociais. 

Separamos 5 startups que dão uma aula sobre employee experience para você se inspirar e saber de forma concreta o que elas oferecem:  

1. Quinto andar 

Conhecida por ser a maior imobiliária digital do país, o aplicativo permite encontrar um imóvel para comprar, vender ou alugar de forma bem menos burocrática que a convencional. 

Avaliada em mais de 1 bilhão de dólares, a empresa possui uma comissão voltada para a inclusão e diversidade dividida em cinco frentes, sendo: Negros; LGBTQIA+; Gênero; PCD e Social. Os valores de pluralidade e igualdade de oportunidades fazem parte da startup, e isso certamente gera efeitos positivos no ambiente de trabalho e na experiência do trabalhador. 

Durante a pandemia e precisando se adaptar ao novo cenário de trabalho remoto, a empresa atualizou os benefícios dos colaboradores e os ajudou financeiramente a equiparem o home-office e, assim, trabalharem em boas condições em casa. O processo de seleção também é bem aprofundado, com dinâmicas e conversas para sentir o fit cultural do candidato e seus propósitos.

2. Escale 

Destacada no ranking da Glassdoor como a empresa melhor avaliada pelos funcionários, a Escale é uma startup focada em marketing e vendas.

Ela também aparece em segundo lugar no ranking das 50 empresas que têm os funcionários mais felizes no Brasil. Os motivos? Trabalho remoto e horários flexíveis, curso de inglês gratuito, bônus salarial para fazer outros cursos, parceria com academia e snacks gratuitos em alguns dias da semana, de acordo com as avaliações dos usuários na plataforma Glassdoor.

3. Nubank 

Não é novidade ver o Nubank citado por aí e elogiado pelos colaboradores. E não é por menos: em 2019 o banco digital foi considerado como a empresa que mais oferece benefícios aos seus funcionários. Levantando a bandeira de “pessoas em primeiro lugar”, o banco oferece o NuCare, serviço anônimo de ajuda psicológica, assistência jurídica e planejamento financeiro aos seus colaboradores.

Além deste serviço, a empresa tem grupos como o NuBlacks, composto pelos próprios funcionários para discutir e debater assuntos do universo afro. Outro fator interessante é a construção da marca, que é uma das mais amadas pelos brasileiros

Grande parte dessa consolidação se dá por meio da forte interação nas redes sociais, além de uma produção de conteúdo constante: o banco tem newsletter, podcast, e redes sociais super ativas com posts que mostram como é trabalhar lá dentro, receita perfeita para atrair talentos.

4. Menu 

Focada no food service e com a missão de simplificar o mercado de alimentos, a startup ficou no topo do ranking Top Startups 2020 feito pelo LinkedIn. Com pouco mais de 200 funcionários, a empresa mostra que, mesmo em menor escala, é possível investir no employee experience e gerar resultados. 

Um dos aliados dessa caminhada foi o próprio LinkedIn, já que a página da empresa é alimentada constantemente com conteúdo de valor, além de contar com colaboradores igualmente ativos, que compartilham a rotina na empresa. O resultado é a marca de 52 mil seguidores, um grande número tendo em vista a rede social de nicho que é o LinkedIn.

Além de caprichar na imagem da empresa, os funcionários têm cartão único para escolher como gastar os benefícios da melhor forma, com VT, VR e VA juntos no mesmo suporte e desconto em academia. A importância dada aos feedbacks e avaliações de desempenho  também entra como ponto positivo para o crescimento e bem-estar dos profissionais dentro da empresa.

avaliacao desempenho

5. Neon 

Outro banco digital que vem crescendo exponencialmente é o Neon. Com um escritório enorme carregado de cores vibrantes e descontraídas, o quesito conforto é levado a sério. 

A empresa também permite que os funcionários escolham como gastar seus benefícios. O pacote fica todo disponível em um cartão, com salário, assistência-médica e odontológica, vale-transporte, vale-refeição e alimentação, vale cultura, Gympass e budget para treinamentos ou cursos.    

Entre os fatores de bem-estar estão sessões de massagem no escritório todas as semanas, e a autonomia como um dos pontos principais elogiados pelos colaboradores.

Diferença entre employee experience e employer branding

Volta e meia somos confrontados com novos termos em inglês que acabam aumentando ainda mais o glossário do RH. É normal não sabermos a diferença entre employee experience e employer branding, mesmo porque são campos que se cruzam, sendo conectados entre si de certa forma. 

O que é importante ter em mente é que a palavra branding significa marca em inglês e, por isso, trata de como a marca é consolidada e de quais estratégias são postas em prática para melhorar a reputação e imagem  que a empresa desperta. As estratégias que a empresa vai usar para que essa imagem seja construída acontece tanto voltada para funcionários que já estão dentro da empresa, como para quem está fora dela

O employer branding constrói uma imagem que desperte o desejo de continuar na empresa, ou de fazer parte dela por meio de iniciativas de engajamento, retenção e atração de talentos. Quem está de fora quer entrar, por se identificar com a identidade da marca, e quem está dentro não pretende sair, por estar vinculado e alinhado à cultura da empresa.

Por outro lado, o employee experience trata mais especificamente da jornada do colaborador dentro da empresa e de tudo o que pode ser oferecido para que ele se sinta bem e valorizado, desde a contratação, até o dia em que deixar a empresa, seja de forma voluntária ou involuntária. 

Dessa forma, podemos separar os campos como employee experience sendo mais específico e voltado na experiência do trabalhador que já faz parte da empresa, e o employer branding como aquilo que vai despertar um “algo mais” na identidade da marca como um todo, tornando-a desejada e apreciada

O employer branding também está ligado a aquilo que as pessoas que não fazem parte da empresa pensam sobre ela: lembra das vezes em que você disse “nossa, trabalhar em tal empresa deve ser ótimo por que…”? Isso é como o employer branding da organização está vivo dentro de você e, neste exemplo, de forma positiva. As empresas estão se empenhando para manter esse “brilho nos olhos” de forma intensa, para que sempre atraiam bons e novos talentos.

Como complementar sua estratégia de employee experience

Algumas ferramentas podem complementar sua estratégia de experiência do colaborador, especialmente se levarmos em conta como e quais dados podem vir a somar nesse processo. 

Para saber quais ações aplicar, é essencial estar munido de informações específicas e atualizadas extraídas da sua equipe. Conforme falamos no começo do artigo, cada empresa é diferente e precisa adaptar a experiência de acordo com o seu perfil. 

Uma boa forma de conseguir extrair dados para pensar em estratégias é com templates de Recursos Humanos reunindo diferentes tabelas e questionários, entre eles avaliações de desempenho. Estas avaliações de diferentes tipos (individual, 180°, 360, etc) permitem ter acesso a diferentes pontos de vista do trabalhador a serem levados em conta na estratégia de employee experience. 

Por exemplo, se você notar que em várias avaliações individuais a queixa sobre a falta de apoio financeiro para implementar o home-office aparece, vale pensar seriamente em criar ações para o melhor conforto dos seus funcionários dentro de casa. 

O mesmo vale para assuntos mais complexos, como a falta de representatividade dentro da empresa. Neste caso é essencial pensar em meios de aumentar a participação e a pluralidade das pessoas, fazendo grupos de discussão e inculcando esses valores na cultura da empresa, como feito pelas startups mencionadas.

People Analytics

Outro campo importantíssimo que vem ganhando destaque no mundo do RH é o People Analytics, usado para encontrar soluções para melhorar a performance dos colaboradores. 

Esse método te ajuda a tomar decisões depois de analisar dados reais, vindo do Big Data e da Inteligência Artificial. Os dados quantitativos são oferecidos por meio do cruzamento de KPI’s (Key Performance Indicators), chamados em português de indicadores-chave de desempenho

Contando com a ajuda da equipe de People, estes números podem servir para uma melhor visão analítica dos trabalhadores e, com isso, serem usados em estratégias qualitativas para melhorar o employee experience. 

Nada mais é do que usar uma quantidade de dados e números para pensar em ações materiais, que vão afetar positivamente a rotina, imersão e produção dos seus colaboradores.

Mas quais tipos de dados podem ser levados em conta? Alguns dos principais KPI’s são aqueles que medem o tempo de onboarding, o número de ausências, resultados de feedbacks e avaliações, frequência de objetivos alcançados e tempo de treinamento, apenas para citar alguns. 

Ao analisar a experiência dos recém contratados, por exemplo, o RH pode cruzar os dados de tempo de onboarding e tempo de treinamento. Dessa forma, o profissional de recursos humanos consegue elaborar estratégias de employee experience e, assim, melhorar este momento de “boas-vindas” vivenciado pelo colaborador. 

Para citar uma situação, se o tempo de treinamento for muito rápido, isso pode acabar por não trazer a devida clareza dos processos e métodos que precisam ser respeitados dentro de cada setor, e no futuro causar dúvida e falta de norte para o trabalhador. Isso pode influenciar diretamente no seu desempenho e bem-estar dentro da companhia, fatores ligados ao employee experience. 

O que é importante ter em mente é que muitos processos podem ser costurados para descobrir problemas e pensar em soluções.

people analytics ebook

 

Onde encontrar material disponível e pronto para ser personalizado

O software da Factorial é uma tecnologia que permite gerir processos de RH e te deixar com mais tempo livre, sem ter que realizar tarefas manuais repetitivas. 

Dessa forma você encontra, dentro da plataforma, vários tipos de avaliações de desempenho para melhorar suas estratégias de employee experience e entender o que a sua equipe deseja. Estas avaliações podem ser usadas junto aos dados compilados do People Analytics, como vimos acima. 

O melhor do Factorial é que ele consegue reunir e proteger seus documentos em uma única plataforma, permitindo que você acesse os dados com facilidade e pense em planos de employee experience com a rapidez que eles precisam. 

software rh factorial

Texto por Beatriz Prieto

Postagens relacionadas

Deixe um comentário