Ir para o conteúdo
microgerenciamento

Microgerenciamento: o que é e porque evitar na sua gestão?

Quando falamos em microgerenciamento,  gestão e liderança, automaticamente assimilamos um trabalho de acompanhamento. Seja  de um time ou de uma empresa. E a visão de gestão que muitos, e até mesmo gestores possuem, nem sempre é o ideal.

A liderança na gestão de pessoas, assim como o próprio nome diz, é uma forma de gerenciar, mas enquanto líderes temos que tomar cuidado com o microgerenciamento.

Tecnologia completa para deixar o microgerenciamento de lado.

O que é o microgerenciamento?

O microgerenciamento é o acompanhamento das pequenas tarefas diárias que o colaborador possui. Por exemplo, pedir para colocar em cópia todos os e-mails que é enviado. Ou ainda, fazer o controle de cada passo que cada integrante da equipe faz, e pode ser prejudicial para o próprio líder.

Essa liderança possui a necessidade de querer controlar de perto o trabalho executado pelos seus funcionários. Desse modo, colocando uma importância excessiva aos detalhes.

Existem muitos tipos de liderança e diversas formas de atuação. Entretanto, nenhuma delas traz o microgerenciamento como algo positivo e vamos explicar o porquê.

Microgerenciamento por definição

O microgerenciamento não é uma forma de gestão que é bem vista no mundo corporativo. Mas sabemos que existem situações que se torna necessário como foi mostrado.

Mas lembre que ao acabar com o microgerenciamento é uma forma de aproximar e mostrar que você confia em seus colaboradores. Dessa forma, fazendo com que seu time fique satisfeito, com bom humor, produtividade e criatividade.

Entenda que não conseguimos controlar tudo em nossa vida. E conseguir driblar a vontade de querer controlar tudo e a todos é parte de saber ser líder.

Lembre-se que ninguém aprende sozinho. E cada aprendizado e experiência é uma forma de mudarmos e desenvolver novas maneiras saudáveis e eficientes de trabalhar.

Como saber se você faz microgerenciamento?

A diferença entre uma boa liderança e o líder que faz o microgerenciamento é a confiança.

Quando delegamos funções adequadas aos colaboradores percebemos que há uma confiança depositada nos funcionários. E assim, deixando-os lidar da melhor maneira ao executar uma função.  Quando há a falta dela, o gestor acompanha todos os passos impedindo-os de ter autonomia nas suas tarefas.

Existe um estudo da Muriel Maignam Wilkins – co-fundadora e sócia-gerente da Paravis Partners, uma empresa de coaching executivo e desenvolvimento de liderança. A mesma autora, cita o comportamento dos líderes que fazem a microgestão e que:

  • Nunca estão satisfeitos com os resultados;
  • Se sentem frustrados pois faria a tarefa de maneira diferente;
  • Focam nos detalhes e tem grande orgulho e/ou dor em fazer correções;
  • Sempre querem saber onde todos os membros da sua equipe estão e em quais projetos estão trabalhando;
  • Pedem atualizações frequentes sobre o andamento de atividades/projetos, tirando o foco dos colaboradores;
  • Querem ser copiados em todos 0s e-mails.

Caso você note que possui este comportamento com o seu time, repense se é realmente necessário estar em cada uma das etapas. Pois, com essa liderança você pode estar acabando com a produtividade do seu time.

Porque evitar o microgerenciamento na sua liderança?

Impacto do líder

O impacto que o líder traz na sua vida pessoal com o microgerenciamento é grande. Como a ansiedade em níveis extremos que podem ser vivenciadas com esse tipo de liderança.

Perda de foco

Uma vez que o mesmo se preocupa em validar todo e pequeno passo do colaborador, ele deixa de lado a sua liderança humanizada. Isso faz com que não perceba a dinâmica e o relacionamento do time como um todo, e até mesmo, prejudicando o aprendizado dos profissionais.

Clima de  tensão

Além disso, microgerenciar um time pode fazer com que os colaboradores se sintam confortáveis e estejam mais suscetíveis ao erro. Uma vez que o líder sempre está lá para resolver. E até mesmo criando um ambiente em que o colaborador se sinta sufocado.

Microgerenciamento e Liderança Humanizada

Uma vez que o gestor possui uma liderança de microgerenciamento, o mesmo afeta a relação com seus colaboradores, colocando em risco a evolução dos funcionários em resolver problemas e a de construir uma liberdade e confiança com os mesmos.

Como líder você tem que entender que a liderança humanizada é tratar os colaboradores como pessoas, que possuem gostos, sentimentos e defeito, é necessário para uma boa relação tornando-a mais empática, essa é uma característica da liderança feminina, e por isso vem tomando cada vez mais espaço no mundo corporativo.

Quais são os prejuízos dessa prática?

Os pontos negativos e prejuízos da prática do microgerenciamento é:

  1. A perda da visão do projeto e/ou negócio como um todo, deixando a produtividade e análise de desenvolvimento em segundo plano.
  2. Uma prática não escalável, se torna impossível de acompanhar quando o time é grande.
  3. Diminui a confiabilidade do time, assim como já falamos, uma boa liderança e o microgerenciamento está atrelado a confiança, e a falta dela afeta diretamente a produtividade do time.
  4. Pode gerar uma alta rotatividade de colaboradores, o microgerenciamento pode se tornar tóxico para a equipe, fazendo com que os colaboradores se sintam insatisfeitos e saiam da empresa com mais frequência.

É importante saber os pontos negativos dessa prática que nem sempre notamos em nossa liderança, mas uma vez que notamos esse comportamento em nós mesmo é necessário trabalhar para deixar de lado o microgerenciamento.

Como evitar o microgerenciamento

Como líder você tem que entender que o seu papel não é controlar e supervisionar todos os mínimos detalhes dos seus colaboradores, e sim acompanhar fases importantes dos projetos para a realização do trabalho, dando autonomia para seus funcionários.

É necessário uma mudança de comportamento e de mindset para que consiga realizar um acompanhamento 100% eficaz como os OKRs, que pode dar resultado a médio e longo prazo para os objetivos dos projetos.

A liderança feminina tem menos chance de aplicar microgerenciamento?

A liderança feminina tem mudado positivamente o mundo corporativo como um todo, e tê-las como líder é trazer mais a empatia e a maior sociabilidade entre o time, elas podem criar laços que fortalecem o compromisso com os objetivos e levar em conta o lado humano e emocional dos seus colaboradores e colegas de time.

Essa é uma forma e uma solução para a empresa que possui muitos gestores com o perfil de microgerenciamento, além disso ter uma liderança feminina mostra o ambiente mais igualitário e reforça a equidade social.

Quando é possível aplicar o microgerenciamento?

Falamos o tempo todo o lado negativo do microgerenciamento e como e porque ele deve ser evitado. Contudo, existem momentos e situações em uma empresa que é possível sim usar o microgerenciamento.

Em empresas que passam por mudanças de estratégia, é normal os líderes fazerem um acompanhamento mais de perto. E é necessário ter esse olhar mais próximo para que consiga acompanhar como as mudanças impactam a rotina do funcionário e como ela pode ser melhorada.

Além dessas situações, também pode ocorrer como quando o projeto demora muito tempo para ser realizado. E cabe ao líder perceber e passar a fazer um acompanhamento mais próximo. Desse modo, fazendo o microgerenciamento do projeto e mostrando o caminho a ser traçado.

Tecnologia que te ajuda a evitar o microgerenciamento

Deixar o microgerenciamento de lado tem seus benefícios e com software Factorial você consegue gerenciar da melhor forma.

O nosso software de RH possui uma tecnologia all-in-one em que você consegue dar autonomia para seus colaboradores nos projetos e ainda assim acompanhar o seu time da melhor forma para a sua saúde e para a saúde do seu negócio.

Com a assinatura digital completa da Factorial você possui acesso a todos os processos gerenciais trazendo tranquilidade ao seu negócio e para você mesmo.

✅ Otimize a gestão na sua empresa com o teste grátis por 14 dias:

software rh factorial

 

Texto escrito por Flávia Batista e editado por Mariana P.

Este artigo também está disponível em: Deutsch

Mariana P. é parte do time de Content Marketing da Factorial. Acredita que copywriting é mais do que contar histórias. É também diversificar conhecimento para que todos tenham acesso. Depois de viver em diferentes países e trabalhar com B2C e B2B, percebeu que o setor de Recursos Humanos é parte fundamental para a transformação e o crescimento das pessoas dentro de uma organização.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário