Recolocação profissional: o que é e como proceder

A recolocação profissional é o processo estratégico de procura e conquista de uma oportunidade de emprego quando o indivíduo se encontra sem trabalho ou fora da área de atuação que almeja acessar. Com isso, você já tem uma boa definição de o que é recolocação profissional.

Aliás, todo trabalhador, em algum momento da sua carreira, pode passar pelas seguintes situações:

  • Desemprego;
  • Insatisfação com o trabalho atual;
  • Busca de ascensão profissional;
  • Mudança de carreira;
  • Mudança de cidade.

Para superar este cenário e encontrar um emprego conectado ao seu momento atual, o profissional deve desenvolver ações individuais que o guiarão no caminho da busca de uma nova oportunidade, e assim conquistar finalmente a recolocação profissional.

Muitas vezes, pode parecer complicado conseguir o tão sonhado emprego, ainda mais quando se considera o tempo médio de recolocação profissional no Brasil: de 6 a 12 meses dependendo da área de atuação e do nível hierárquico. Entretanto, as oportunidades existem e estão aí para os profissionais que souberem desenvolver métodos para alcançá-las.

Agora que você já sabe o significado de recolocação profissional, vamos debater as principais estratégias atuais para os trabalhadores encontrarem um emprego rapidamente!

Índice

Como trabalhar a recolocação profissional no mercado?

O primeiro passo da recolocação profissional é muito íntimo e começa com uma reflexão pessoal. O indivíduo deve ter em mente o que busca no mercado de trabalho, fundamental para desenvolver cada ação posterior.

Neste momento, também deve pensar em toda a trajetória da sua carreira, considerando as vitórias e os fracassos, e definir qual o cenário que possivelmente o faria chegar à satisfação profissional.

Ao ter ideia de onde pretende chegar, fica mais fácil definir objetivos e trabalhar tudo aquilo que falta para alcançar a meta.

O profissional também deve ter consciência do seu valor, avaliando quais são os pontos os positivos e os negativos dentro do seu conjunto de competências. Os pontos positivos devem ser destacados no currículo e em entrevistas, já os negativos são um sinal vermelho de que é necessário investir tempo e esforço para desenvolver aquelas características que lhe estão em falta.

Uma etapa importantíssima é realizar uma pesquisa salarial para poder estimar se a pretensão que está sendo praticada dentro do mercado está de acordo com as expectativas do profissional; se não estiver, será preciso pensar em um novo valor ou reavaliar o objetivo.

Estratégias para fazer uma rápida recolocação profissional

Depois de definir o que se pretende nesta recolocação profissional, chega a hora de sair da caixinha das ideias e transformá-las em ações práticas, que levarão a pessoa a encontrar a tão almejada vaga, rapidamente. Confira!

Conhecer o mercado-alvo

Estar informado sobre o mercado de atuação ajuda muito na conquista de uma oportunidade. Para conhecer a fundo a área, vale a pena acompanhar sites de notícias especializados no setor e participar de grupos de profissionais da mesma área – seja no ambiente digital ou físico.

Outra dica é definir quais são as empresas referências naquele segmento. A partir disto, acompanhar o perfil delas nas redes sociais e observar como e o que elas estão comunicando. Além de verificar constantemente qual é o perfil de profissional ideal que elas estão buscando – isso também ajuda a identificar se há alguma habilidade ou valor que o candidato necessita urgentemente desenvolver.

Quando o profissional segue a realidade de quem vivencia o mercado, fica muito mais fácil ter a sensação de pertencimento. Isso acaba gerando mais bagagem para futuras entrevistas e discussões da área.

Reajustar o currículo

Não podemos deixar de destacar que o tipo de currículo criado hoje não é o mesmo feito nos anos 90. por exemplo. Por isso, esqueça convenções usadas anteriormente e foque no que importa agora.

O currículo deve destacar de forma objetiva e estratégica as habilidades do profissional. Além disso, ele deve ser criado usando palavras-chave, ou seja, termos relevantes que definem atribuições dentro de um segmento. Lembre-se que a primeira leitura de um currículo pode ser realizada por um software, que identificará justamente os termos mais importantes. Afinal, sabemos como o recrutamento e seleção online já é uma realidade.

Outro ponto é que o currículo não deve se basear apenas na descrição das habilidades, mas deve trazer também os principais logros e como o profissional colaborou para chegar a aquele cenário. Por exemplo, um trabalhador de logística pode colocar em seu CV que, ao implementar um novo sistema de gerenciamento de estoque, reduziu em 30% o custo de operações.

Pode parecer uma dica boba, mas muita gente se esquece de deixar uma versão aberta do documento para fazer pequenas edições antes de enviar o CV para uma vaga específica. O currículo é um documento em evolução, e não deve ser tratado como um material acabado. Por fim, não se esqueça que a informação visual conta tanto quando a informação textual.

recolocacao no trabalho

Acessar plataformas de emprego

Ter um CV atualizado é meia parte do trabalho, porque a outra parte é manter em dia os perfis digitais em plataformas de emprego.

A rede social mais usada com esta finalidade é o LinkedIn. E não pense que para ser bem-sucedido nela basta apenas criar um perfil. A verdade é que esta rede valoriza muito que os profissionais sejam ativos. Isso inclui postar conteúdo, reagir e comentar em outras postagens, participar de grupo, publicar artigos, etc.

Além do LinkedIn, outras plataformas sociais são ótimas para fazer networking, como Facebook, Slack e WhatsApp. Mas aí é necessário que o profissional faça uma curadoria e encontre os melhores grupos para participar.

Além das redes sociais, há outras plataformas excelentes para buscar e fazer o mapeamento de vagas. Nelas, também é possível desenvolver um currículo online e ativar notificações para estar por dentro das últimas vagas de emprego. Atualmente, alguns dos principais sites para encontrar trabalho são:

  • Vagas.com
  • Catho
  • Glassdoor
  • Indeed
  • InfoJobs

Também há outros sites mais específicos, de acordo com a modalidade de trabalho que o profissional procura. Há opções para trabalho remoto (com sites como Remotar e Trampos.co) ou para empregos em startups, como a plataforma Cubo.

Fazer networking

Independentemente da área de atuação, ter uma boa rede de contatos é mandatório para se firma dentro de uma área e gerar visibilidade ao seu perfil profissional.

Eventos da área, cursos profissionalizantes, grupos digitais são alguns dos espaços para entrar em contato com outros profissionais.

Tão importante quanto estabelecer esses contatos é cultivá-los, participando de trocas de discussões e compartilhando conhecimentos e opiniões. Muitas indicações para novas vagas partem destes relacionamentos.

Preparar-se para entrevistas

O profissional deve criar e treinar um discurso em que aborde a sua trajetória profissional, as principais realizações, a superação de imprevistos, os objetivos atuais, os motivos de ter deixado o último emprego – e sim, é importante ser sincero mesmo que tenha sido demitido.

Quando se fala de levantar estes pontos, não significa que o candidato deva decorar o discurso. Mas já ter organizado na cabeça as situações que podem ser citadas caso seja questionado por exemplos reais durante uma entrevista.

Desenvolver o emocional

O estado emocional influencia no processo de recolocação profissional. Se a pessoa não dá muita importância ao seu psicológico, fica constantemente presa a situações em que reinam a síndrome do impostor e a baixa autoestima profissional. Em ambos os casos a pessoa não se acha competente o suficiente para ocupar aquele cargo, por exemplo.

Terapeutas, psicólogos e coaches podem ajudar a calibrar as emoções durante um processo de recolocação profissional e também colaboram no desenvolvimento das chamadas soft skills. Essas últimas que recentemente são mais valorizadas no mercado. As soft skills estão relacionadas a empatia, gestão de conflitos e adaptabilidade, ou seja, estão associadas principalmente à capacidade de a pessoa lidar com as emoções no ambiente de trabalho. 

Headhunter para recolocação profissional: como funciona?

Há casos em que o profissional, mesmo que realize tudo o que citamos anteriormente, não consegue encontrar a oportunidade ideal para si. E é aí que a figura do headhunter entra em ação. No nosso blog, você encontra esta entrevista com a Gabriela Novaes, especialista em direcionamento de carreira.

Trata-se de um profissional especializado em recrutamento que conecta candidatos a empresas. Antes associado ao recrutamento de profissionais estratégicos e do alto escalão, hoje o escopo de atuação é mais variado, sendo o headhunter para recolocação profissional uma excelente opção de ajuda ao candidato que ainda não conseguiu dar match com seu emprego ideal.

Além de ter bastante experiência em seleção de talentos e conexões com outros profissionais, o headhunter ajudará o próprio candidato. Poderá entender o seu perfil, destacar suas principais habilidades e adaptar o currículo para o que ele busca.

Também há perfis de headhunters especializados em determinados segmentos. Pode-se dizer que eles são especialistas em compreender o que as empresas procuram naquela área. Assim, direcionam melhor seus clientes para as vagas que se candidatam e evitam que eles percam tempo em oportunidades que não se encaixam ao seu perfil.

O headhunter também saberá orientar sobre a negociação contratual e salarial. Portanto, vale a pena contratar este serviço de orientação se o objetivo é concentrar os esforços em outra tarefa, deixando reservado ao especialista a tarefa de encurtar a distância entre o candidato e a tão sonhada vaga de emprego.

checklist recrutamento selecao

 

Texto de Marcela Gava e edição de Maria Esther Castedo

Leave a Comment